sábado, 23 de abril de 2011

CRISTO, A NOSSA PÁSCOA

Lançai fora o velho fermento, para que sejais nova massa, como sois, de fato, sem fermento. Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado.
1 Coríntios 5:7.

“Feliz Páscoa”, “comemoração da Páscoa” ou “ Semana Santa”, são expressões correntes em nossos dias. A palavra “Páscoa” significa “passagem”.
A instituição da Páscoa foi um acontecimento histórico, real, ligado ao povo hebreu no contexto da sua grande libertação, liderado pelo homem de Deus, Moisés, tirando o povo da escravidão do Egito.
Na época a comemoração era feita de maneira festiva e um cordeiro macho, sem defeito, sem mancha alguma era sacrificado, imolado.
Conveniente lembrar que muitos acontecimentos no Antigo Testamento, apontavam para o Novo Testamento, que era o novo pacto que Deus estava fazendo no Sangue de Jesus Cristo.
O cordeiro pascal era uma figura de Cristo.
Jesus Cristo é o Cordeiro de Deus e pelo Seu precioso Sangue derramado todos os pecados foram perdoados e purificados.
Tudo apontava para Jesus.
Quando João viu o Senhor Jesus pela primeira vez ele pode dizer:
Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! João 1:29
No novo pacto que Deus fez conosco em Cristo, Ele nos limpou do velho fermento que é o pecado com que todos nós nascemos.
Fomos crucificados com o Senhor na cruz em Seu Corpo Santo, para que sejamos uma nova massa, ou seja, uma “nova criatura em Cristo”.
Hoje nós estamos sem o fermento velho, porque Cristo nossa Páscoa, foi sacrificado por nós.
A Páscoa judaica foi transformada em Ceia do Senhor no cristianismo, através do memorial pão e vinho.
Páscoa lembra o Êxodo, a saída do povo hebreu do Egito para Canaã.
E este era um memorial a ser passado aos filhos de Israel.
Quando teu filho, no futuro, te perguntar, dizendo: Que significam os testemunhos, e estatutos, e juízos que o SENHOR, nosso Deus, vos ordenou? Então, dirás a teu filho: Éramos servos de Faraó, no Egito; porém o SENHOR de lá nos tirou com poderosa mão. Deuteronômio 6:20-21.

Irmãos, isto quer dizer literalmente: o povo foi arrancado da escravidão, do jugo escravizador.
Da mesma forma Cristo nos tirou das trevas do pecado; Cristo nos tirou do reino de satanás, que tipifica Faraó velho, e nos levou ao Reino da luz.
Podemos ler está verdade em Colossenses 1:13-15.
Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados.
Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação.

Queridos, quantas pessoas estão comemorando hoje a “Páscoa” sem saber realmente o seu verdadeiro significado.
Comemoram a “Páscoa” com as suas consciências manchadas, porque o problema crucial do homem é com ele próprio.
Dentro dele, em sua consciência, há um fardo pesado de culpa.
Quantos jovens estão hoje oprimidos pela culpa!
Culpa é um grande problema para o homem.
Os pecados por um lado ofendem a Deus, e por outro nos corrompem.
Que é culpa?
Culpa é a mancha dos pecados na consciência de uma pessoa não regenerada. Quando se é jovem, sua consciência está só um pouco manchada.
Mas, à medida que você envelhece, essas manchas se acumulam.
Como uma janela que nunca é lavada, a consciência vai escurecendo até que, finalmente, pouca luz consegue penetrar.
Nenhum detergente, nenhum composto químico, nenhum ácido pode lavar a mancha da culpa na consciência de uma pessoa.
Pelo que ainda que te laves com salitre e amontoes potassa, continua a mácula da tua iniqüidade perante mim, diz o SENHOR Deus. Jeremias 2:22.

Podemos crer que nem mesmo uma bomba nuclear pode remover essa mancha; porque a consciência exige algo mais poderoso que isso.
A mancha da consciência de uma pessoa só será removida com o precioso Sangue de Cristo.
Mas graças a Deus, Ele providenciou isso para cada um de nós que cremos naquele sacrifício bendito, onde o nosso Cordeiro pascal foi imolado e seu Sangue vertido.

Muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servirmos ao Deus vivo! Hebreus 9:14.

Isso está claramente ilustrado em Êxodo.
Alguns dos filhos de Israel podem ter sido tão pecadores quanto os egípcios. Mesmo assim, quando Deus enviou Seu anjo para ferir todos os filhos primogênitos na terra do Egito, Ele não disse: “Quando Eu vir os vossos bons comportamentos passarei por vós”.
Deus não exigiu que os filhos de Israel orassem ou fizessem penitência ou prometessem comportar-se bem.
Não, Deus ordenou-lhes imolar o cordeiro pascal, uma figura de Cristo, e aspergir o sangue do cordeiro sobre as ombreiras das portas.
Ele disse isso em Êxodo 12:13 O sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; quando eu vir o sangue, passarei por vós, e não haverá entre vós praga destruidora, quando eu ferir a terra do Egito.

Deus não olhava que tipo de pessoa estava dentro da casa; quando via o sangue Ele apenas passava por cima.
Não se aborreça por nenhum sentimento ou falta de sentimento nessa questão. O Sangue de Cristo é, primariamente, para satisfação de Deus, não para a nossa.
Lembre-se, Deus disse: “Quando eu (não nós) vir o sangue”.
Na noite da Páscoa, os filhos de Israel estavam dentro da casa, enquanto o sangue do cordeiro estava fora.
Dentro da casa, eles não podiam ver o sangue; contudo, tinha paz por saberem que Deus estava satisfeito com aquele sangue.
Hoje conosco acontece à mesma coisa, o precioso Sangue de Cristo já foi derramado para a satisfação de Deus e, não para a nossa.
Nós não vemos o sangue, mas ele está lá, falando e satisfazendo o coração do Pai.
E a Jesus, o Mediador da nova aliança, e ao sangue da aspersão que fala coisas superiores ao que fala o próprio Abel. Hebreus 12:24.

Através do Sangue de Cristo, Deus afastou de nós os nossos pecados, e os afastou infinitamente, porque quando Ele perdoa, Ele esquece.
Os nossos pecados não mais estão associados a nós.
Por causa disso, nós podemos descansar em nossa consciência.
Quando Deus perdoa, Ele esquece.
Não pense que depois de Deus perdoar seus pecados, Ele pode um dia voltar atrás e fazê-lo recordar-se deles novamente.
Não, sempre que se trata de nossos pecados perdoados, Deus tem uma memória curta.
Algumas vezes podemos ter uma memória melhor que a de Deus.
Será que Deus realmente esquece?
A resposta está escrito em Jeremias 31:34 Não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao SENHOR, porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR. Pois perdoarei as suas iniqüidades e dos seus pecados jamais me lembrarei.

Irmãos, se Deus se esquece dos nossos pecados, nós podemos esquecê-los também.
Não faça Deus recordar-se de algo que Ele já esqueceu.
Cristo morreu há aproximadamente dois mil anos.
Seu Sangue já foi derramado e está disponível vinte e quatro horas por dia para limpar a nossa consciência.
É o sangue que nos purificou.
Com este sangue Cristo pagou o nosso preço, por isso pertencemos a Ele. Somos do Senhor!
Ele nos comprou não com coisas corruptíveis, como a prata ou o ouro, mas pelo Seu precioso Sangue imaculado.
Sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo, 1 Pedro 1:18-19.

Pelo poder do sangue precioso de Cristo, nós podemos vencer todas as acusações de satanás.
Embora as acusações dele sejam fortes, o sangue de Cristo é mais forte, e responde a cada uma delas.
Somos a Igreja do Senhor, edificados por Ele e por isso vivemos a vida de ressurreição, que é o verdadeiro significado da Páscoa.
E a “estorinha” de coelho e coisas similares?
Nada disso está de acordo com a Bíblia; e, ao contrário, isto está inserido no que disse Paulo com respeito às fábulas, que é puro engano.
E se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas.
2 Timóteo 4:4.
Feliz Páscoa, feliz ressurreição.
Amém

No Amor de Jesus,
Pr. Humberto Freire





Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget