sábado, 5 de junho de 2010

O QUE FAZER QUANDO NÃO SE SABE O QUE FAZER ?

O QUE FAZER QUANDO NÃO SE SABE O QUE FAZER ?

Salmo 42:1-11
1- ASSIM como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!
2 - A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus?
3 - As minhas lágrimas servem-me de mantimento de dia e de noite, enquanto me dizem constantemente: Onde está o teu Deus?
4 - Quando me lembro disto, dentro de mim derramo a minha alma; pois eu havia ido com a multidão. Fui com eles à casa de Deus, com voz de alegria e louvor, com a multidão que festejava.
5 - Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas em mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação da sua face.
6 - Ó meu Deus, dentro de mim a minha alma está abatida; por isso lembro-me de ti desde a terra do Jordão, e desde os hermonitas, desde o pequeno monte.
7 - Um abismo chama outro abismo, ao ruído das tuas catadupas; todas as tuas ondas e as tuas vagas têm passado sobre mim.
8 - Contudo o SENHOR mandará a sua misericórdia de dia, e de noite a sua canção estará comigo, uma oração ao Deus da minha vida.
9 - Direi a Deus, minha rocha: Por que te esqueceste de mim? Por que ando lamentando por causa da opressão do inimigo?
10 - Com ferida mortal em meus ossos me afrontam os meus adversários, quando todo dia me dizem: Onde está o teu Deus?
11 - Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face, e o meu Deus.

Salmo 116:1-14
1 - AMO ao SENHOR, porque ele ouviu a minha voz e a minha súplica.
2 - Porque inclinou a mim os seus ouvidos; portanto, o invocarei enquanto viver.
3 - Os cordéis da morte me cercaram, e angústias do inferno se apoderaram de mim; encontrei aperto e tristeza.
4 - Então invoquei o nome do SENHOR, dizendo: Ó SENHOR, livra a minha alma.
5 - Piedoso é o SENHOR e justo; o nosso Deus tem misericórdia.
6 - O SENHOR guarda aos símplices; fui abatido, mas ele me livrou.

7 - Volta, minha alma, para o teu repouso, pois o SENHOR te fez bem.
8 - Porque tu livraste a minha alma da morte, os meus olhos das lágrimas, e os meus pés da queda.
9 - Andarei perante a face do SENHOR na terra dos viventes.
10 - Cri, por isso falei. Estive muito aflito.
11 - Dizia na minha pressa: Todos os homens são mentirosos.
12 - Que darei eu ao SENHOR, por todos os benefícios que me tem feito?
13 - Tomarei o cálice da salvação, e invocarei o nome do SENHOR.
14 - Pagarei os meus votos ao SENHOR, agora, na presença de todo o seu povo.

Salmo 42 é “eminentemente geográfico”, e que, para entendê-lo, precisamos conhecer algo da geografia bíblica.

Vamos, então, entender alguns sinais do texto:

A corça :
que suspira pelas correntes das águas (vs. 1 e 2) lembra o deserto da Judéia, “região cáustica, erma e pedregosa”, onde o veado e os outros animais estariam angustiosamente desejando matar a sede.

O Rio Jordão :
Os vs. 6 e 7 falam do Rio Jordão, que passa pela terra da Palestina, de norte a sul. De sua nascente, entre os montes de Hermon e Mizar, no extremo norte, percebem-se as cataratas do rio Bânias, que formam uma escada natural, encobrindo quem mergulha (ou escorrega e cai....) no rio, e fazem o barulho natural de grandes cachoeiras.

A rocha :
No vs. 9, o salmista usa a figura da rocha para designar o Senhor. Essa era uma figura muito comum. Lembra a pessoa que, estando para ser encoberta pelas águas e levada pela corrente, põe-se em lugar alto e seguro.

Com essa compreensão, vamos aos sentimentos e à saída do sofrido homem em crise, que retrata situações em que às vezes nos encontramos e devemos superar pela glória de Deus.

I – SENTIMENTOS QUE PODEM NOS ALCANÇAR
“Por que está abatida, ó minha alma?”
“Por que te perturbas dentro de mim?”

As duas frases grifadas resumem os dois grandes problemas enfrentados pelo salmista, e que podem assaltar a qualquer dos cristãos, uma vez em que vivemos como parte do mundo decaído:

O problema da ansiedade (vs. 1, 2) :
· Uma procura angustiada por solução de problemas difíceis de serem solucionados.
· A ansiedade se caracteriza por um despertar físico intenso, uma flagrante falta de criatividade para solucionar o problema, e uma insatisfação sem graça.
· Na verdade, na ansiedade, fica-se perturbado, com sede de alguma coisa, suspirando por uma solução como um animal sedento. São problemas com os filhos, crises conjugais, falta de dinheiro, perda de algo ou alguém querido, insegurança, medo do futuro; são sentimentos subjetivos, criados na tensão do mundo moderno, que nos assaltam e dominam a mente, de modo a não permitir que as idéias fluam livremente, nem mesmo o louvor, a comunhão com Deus, ou as reflexões normais do dia a dia.
O problema da depressão (vs. 6, 7) :
· Se na ansiedade há uma falta de ar ou uma sede angustiosa, na depressão há água demais, um afogamento diante das situações conturbadas.
· Na depressão a pessoa se entrega e fica abatida, vendo apenas derrota sobre derrota, crise sobre crise, desânimo sobre desânimo.
· Uma cadeia de problemas vão atropelando a pessoa, como que impedindo que sua cabeça se levante para tomar fôlego. Na linguagem do salmista, “todas as suas ondas e vagas passaram sobre mim”.

Mesmo cristão passamos por situações de profunda tristeza assim: perdas irreparáveis, decepções grandes, acidentes inesperados, estresse acumulado e,
pior que tudo, culpa acomodada, renitente e não tratada no coração que sofre pelo simples fato de não ter sido feito para tais situações, mas para uma vida abundante.

Veja bem: há casos em que esses sofrimentos se alternam, e tanto podem acometer quem vive prolongadamente situações dessa natureza, como quem geralmente está bem, mas algum dia vive uma crise aguda de ansiedade ou depressão.

II - EFEITOS QUE PODEM AGRAVAR A DOR

As minhas memórias (vs. 4, 6b) :
· Quando problemas pessoais nos atacam, a mente não dorme, mas produz um efeito cíclico, maldoso e inconseqüente.
· Lembranças dos dias anteriores, dos momentos de vitória, do próprio Deus que parecia tão presente em determinadas ocasiões, de todas as cenas mórbidas que paulatinamente foram conduzindo ao beco sem saída que agora parece ter chegado para ficar e distanciar tudo que fora bom um dia.

As minhas sensações (vs. 6a, 10) :
· As emoções são excelentes servas, péssimas senhoras!
· Quando apenas “sentimos”, abrimos mão do que “sabemos”, e toda informação perde o valor, bloqueando as entradas de alternativas para os problemas.
· Absolutos como Deus, o valor da Bíblia, a ação do Espírito Santo, e tantos outros, essenciais para o desenvolvimento de nossa vida, ficam prejudicados, relativizados e dependentes de sentir ou não – e o desastre está feito.

As minhas lágrimas (v. 3) :
· Uma retroalimentação em que o choro gera mal estar, que por sua vez, produz o choro, e assim por diante.
· As lágrimas fazem perder a fome e o sono, enquanto alimentam a autocomiseração, e fazem surgir maior depressão.
· Devemos entender que chorar faz bem e é até necessário em diversas situações.
· O que não se pode fazer é entregar-se às lágrimas.

Os inimigos (vs. 3b, 10) :
· Pessoas podem tirar proveito e fazer críticas diante de situações, mas é muito claro no texto que o problema do inimigo mencionado é com o Deus a quem servimos, e a ele interessa desmoralizar e fazer-nos duvidar e blasfemar contra o Senhor.
· Desde o princípio da criação, o diabo tem feito esforço para derrotar o cristão em Deus e distanciá-lo do Senhor, seja pela atração para o pecado, seja pela produção de dúvidas ou revoltas.

III– SAÍDAS PARA A CRISE

Algumas lições são práticas e necessárias para o momento quando um de nós vier a enfrentar uma situação difícil – o que fazer quando não se sabe o que fazer.

É preciso assumir a dor em sua real dimensão:
· E isso o salmista faz muito bem.
· Não se pode ficar negando uma dor que nos mata aos poucos.
· Nos casos de ansiedade e depressão, perde-se tempo na tentativa
de negar, ocultar, mentir e evitar a dor do confronto inevitável para que se chegue a uma solução.
· Há momentos que é necessário fazer confissões semelhantes a estas: Minha alma está abatida; sinto até os ossos doerem e serem esmigalhados; tenho dúvidas; não entendo, estou sofrendo ...

É preciso manter os fundamentos da fé (vs. 8 e 9):
· A misericórdia de Deus é necessária.
· É, na verdade, a grande alternativa dos momentos mais difíceis da vida.
· O tempo passado com Deus, o estudo da Bíblia Sagrada e tudo que aprendemos durante nossa vida cristã deverá servir-nos de base necessária para que não nos deixemos derrotar pelo inimigo.
· Segundo o Senhor Jesus, ouvir e praticar a Palavra funcionam como alicerce resistente no momento dos ventos fortes e da grande chuva.

É preciso ter esperança em dias melhores (vs. 5 e 11) :
Não podemos entregar-nos ao pessimismo tolo e improdutivo.
Esperar em Deus, nos dias melhores produzidos por Sua Graça maravilhosa, é de vital importância na saída da crise.
Devemos aprender a levantar a cabeça e erguer os olhos para Deus e Seu amor por nós, capaz de converter lágrimas em cânticos de louvor e alegria.

IV – CONCLUSÃO

Se você não tem enfrentado problemas assim tão graves, dê graças a Deus por isso! Ajude e compreenda outras pessoas que sofrem debaixo de tão grande carga em suas vidas. Ore por elas e prepare-se com a força de uma vida cristã madura e consciente, capaz de ajudá-lo em tormentas que poderão sobrevir também a você.

Se você tem estado por algumas vezes sob o fardo da ansiedade ou da depressão, aprenda a esperar em Deus. Ele é nosso auxílio e nosso Deus, capaz de transformar nossas vidas e dar-nos uma experiência vitoriosa no Espírito. Creia nisso e viva para Deus!

No Amor de Jesus,

Pr. Humberto Freire

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget