sexta-feira, 17 de julho de 2009

GASTAR O PRESENTE OU PRESERVAR O FUTURO ?



O consumidor compulsivo não sabe o significado das palavras esperar, amanhã ou futuro. A satisfação que ele sente em gastar é uma droga que domina completamente sua mente. Não deixa para depois; tem de ser agora.

Também não importa o valor da compra, pois o prazer está em comprar. O problema está na quantidade de compras, os gastos que excedem seu orçamento.Ao ser entrevistada para a TV Educativa, uma mulher fez o seguinte comentário: “Assim que recebo meu salário, gasto tudo; eu não consigo poupar!” Com este comentário, ela demonstra sua falta de planejamento e reconhece que deve poupar.

Uma pessoa assim é isca fácil para anúncios de promoções, prestações, financiamentos, cartões, qualquer meio que lhe proporcione conjugar o verbo comprar.Hoje já sabemos que existem certos distúrbios de personalidade que fazem com que as pessoas desejem uma gratificação imediata para seus desejos, mas evitam o esforço para atingir seu objetivo.

Então, fica fácil lançar mão de cartão de crédito, cheque pré-datado ou empréstimos.O compulsivo está absorvido por si mesmo. É uma doença, uma compensação. Ele gosta de se dar presentes e cai várias vezes no mesmo erro.

Quando questionado sobre sua conduta, as respostas são absurdas e fora de propósito: “Foi uma pechincha”; “Eu mereço”; “Trabalho tanto”.Se a pessoa conseguir perceber sua própria realidade, deve procurar ajuda.

Familiares e amigos devem ter responsabilidade sobre sua vida, não pagando suas contas, mas trabalhando na conscientização da necessidade de controle. Se for necessário, conte com a ajuda de um profissional.“Quem tem ouvidos para ouvir, que ouça.

E, acercando-se dele os discípulos, disseram-lhe: Por que lhes falas por parábolas? Ele, respondendo, disse-lhes: Por que a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado; porque àquele que tem se dará, e terá em abundância; mas aquele que não tem até aquilo que tem lhe será tirado” (Mateus 13:9-12).

Pr. Humberto Freire

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget