sábado, 2 de janeiro de 2010

ÁGUAS ESTAGNADAS


Dubai é a capital de um Emirado Árabe de mesmo nome, com mais de 1,5 milhão de habitantes.
Seus lideres estão entre as maiores fortunas do mundo, constituídas de petrodólares.
Entretanto, como se prevê que a fonte dessa riqueza vai secar, pois outras formas de energia substituirão logo o petróleo, esses homens trataram de migrar sua fortuna para um novo ramo de atividade e estão executando um mega empreendimento catalisador de turismo de primeira classe, de proporções jamais vistas ou mesmo idealizadas.
Construíram uma ilha e nela um hotel em forma de barco à vela no prédio mais alto do mundo, com mais de 200 luxuosíssimas suítes para quem puder pagar diária de 28 mil dólares, e não pararam ai.
Com dragas gigantescas fizeram ilhas em forma de uma enorme palmeira também com um complexo turístico paradisíaco, e agora estão, no mesmo litoral, aterrando um novo projeto ao qual deram o nome de “MUNDO”.
Está ultima empreitada – ultima até agora – consiste na formação de um mapa-mundi constituído de oitenta ilhas que juntas darão a impressão de se ver de cima o mesmo formato do mapa do mundo dentro de um circulo de recifes também artificiais.
Cada ilha receberá o nome de um país ou região e nelas se propõe a construção de resorts, cassinos, mega-stores e outros atrativos de investimentos sempre ligados ao turismo de primeira classe.
Os idealizadores do ‘MUNDO”, obviamente, contrataram ambientalistas para dizer que o projeto é absolutamente natural, pois usa areia e pedra para criar recifes e ilhas, razão pela qual o meio ambiente e o clima não sofreriam impacto como conseqüência das intervenções.
A mídia também tem dado vasta divulgação positiva, bastando verificar na internet o verbete Dubai e outros afins e, curiosamente, ela ainda não mostrou o Greenpeace dando chiliques por lá.
Mas o ‘MUNDO” tem problemas estruturais.
Criado por homens e com um nome desses tinha que dar problema, até porque é uma babel marítima onde o maior objetivo parece ser exaltar que a inteligência e a capacidade humana não tem fim, e pior, que os problemas não se constituem em barreiras limitadoras aos idéias dos homens.
Como aterraram varias ilhas criadas dentro de um recife circular também artificial as águas não circulam, e ficando paradas exalavam mau cheiro dando a impressão de que se tratava de um mangue e não um local apropriado a resorts.
Os engenheiros colocaram suas mentes brilhantes para funcionar e resolveram abrir mais brecha nos recifes circulares e cavaram mais fundo ao redor das ilhas para provocar maior movimentação do mar em volta das mesmas.
Toda essa empreitada nada mais é do que um paralelo da experiência de vida construída por muitos humanos ao redor do mundo.
Muitos homens ignoram seu Criador e fazem do seu próprio braço e força geradora de toda riqueza e felicidade.
Não esperam em nada ou ninguem a não ser em sua própria mente para alcançar seus objetivos que se tornam uma verdadeira febre religiosa.
Chegam a um ponto que não tem volta.
Entregam-se apaixonadamente a seus projetos pessoais e não enxergam nada, nem mesmo limites naturais e óbvios.
Seus alvos são a razão de existir e as águas que alimentam seus moinhos.
E quando tais águas se tornam estagnadas, para não se renderem ao vexame do fracasso, cavam ainda mais fundo o poço desafiador rumo ao caos completo, esquecendo-se que um abismo chama outro ainda maior.
E provocam um reboliço no reino espiritual, porque dão mais valor à razão humana – à criatura – que ao Criador.
O Criador Eterno, ao contrario, sempre se colocou na posição disponível de Único capaz de transformar o caos em vida organizada, por amor conduziu sua criação ao Éden, mas ela optou por fabricar seu próprio mangue como uma porca lavada que insiste em voltar à lama.
Descansar no Eterno é mais do que apenas abandonar projetos pessoais, é reconhecer que quando me agrado dos projetos Dele, em contrapartida, Ele satisfaz os desejos do meu coração.
Ele é quem me conduz às águas de refrigério, sem necessidade alguma de canais alternativos cavados por nossas mãos em águas estagnadas ou turvas.
Embora seja Ele de toda a gloria, seus planos são de uma simplicidade que alcança, não só os que se consideram de primeira classe, mas também estes podem se chegar, porque os resorts divinos são mais desejáveis do que o ouro depurado.
Há homens cuja esperança esta em que outros os carreguem a um tanque de águas curativas quando elas eventualmente se revolvem, como se deu com o paralitico de Betseda, que aguardava que uma água externa milagrosa pudesse salva-lo, ainda que a visse estagnada diante de si por dezenas de anos.
A formula da boa via não está em grandes projetos da criação humana de uma água externa revolvida por homens, mas como disse Jesus : “ Quem crê em mim, do seu interior fluirão rios de água viva”.
Não se cava, não se projeta ou controi nada bom sem Deus.
As delicias e manjares FLUEM naturalmente do interior, produzindo por mistérios tão excelentes tais como os que tecem alguém no ventre de uma mulher.
Porque Eva considerou um fruto que não podia ter mais desejável que seguir a Deus a humanidade inteira sofre as conseqüências dessa escolha e continua a cavar cisternas rotas de águas estagnadas.
Quem percebe o mau cheiro de águas estagnadas ao seu redor não pode cavar mais fundo em manancial poluído, mais deve correr para o Pai como a corsa suspira por correntes de águas, para que suas pegadas sejam apagadas do alcance do inimigo atormentador.

No amor de Jesus,

Pr. Humberto Freire

Um comentário:

Maxwell disse...

muito boa esta reflexao Pastor Humberto, que Deus te ebençoe poderosamente cada vez mais...

Feliz 2010 para tí, Afinal este será un ano de muitas conquistas para nós!!!

Ocorreu um erro neste gadget